Tentação

tentação
Avatar de vozdedeus

As tentaçoes

“Eis como deveis rezar: PAI NOSSO, que estais no céu, santificado seja o vosso nome;
venha a nós o vosso Reino; seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu.
O pão nosso de cada dia nos dai hoje;
perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos aos que nos ofenderam;
e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.” Mateus 6:9-13

Jesus vai nos lembrar de pedir ao pai que não nos deixeis cair em tentação, a tentação é o que nos leva ao pecado

O caticismo da Igreja Catolica nos explica muito a tentação no T.8.1 “Não nos deixeis cair em tentação

No numero 2846: Não nos deixeis cair em tentação Este pedido atinge a raiz do precedente, pois nossos pecados são fruto do consentimento na, tentação. Pedimos ao nosso Pai que não nos “deixe cair” nela. E difícil traduzir, com uma palavra só, a expressão grega “me eisenegkes” (pronuncie: “me eissenenkes”), que significa “não permitas entrar em”, “não nos deixeis sucumbir à tentação”. “Deus não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta” (Tg 1,13); Ele quer, ao contrário, dela nos livrar. Nós lhe pedimos que não nos deixe enveredar pelo caminho que conduz ao pecado. Estamos empenhados no combate “entre a carne e o Espírito”. Este pedido implora o Espírito de discernimento e de fortaleza.

No numero 2847: O Espírito Santo nos faz discernir entre a provação, necessária ao crescimento do homem interior em vista de uma “virtude comprovada”, e a tentação, que leva ao pecado e à morte. Devemos também discernir entre “ser tentado e consentir” na tentação. Por fim, o discernimento desmascara a mentira da tentação: aparentemente, seu objeto é “bom, sedutor para a vista, agradável” (Gn 3,6), ao passo que, na realidade, seu fruto é a morte.
Deus não quer impor o bem, ele quer seres livres… Para alguma coisa a tentação serve. Todos, com exceção de Deus, ignoram o que nossa alma recebeu de Deus, até nós mesmos. Mas a tentação o manifesta, para nos ensinar a conhecer-nos e, com isso, descobrir-nos nossa miséria e nos obrigar a dar graças pelos bens que a tentação nos manifestou.

No numero 2848: “Não cair em tentação” envolve uma decisão do coração”. Onde está o teu tesouro, aí estará também teu coração… Ninguém pode servir a dois senhores” (Mt 6,21.24). “Se vivemos pelo Espírito, pelo Espírito pautemos também nossa conduta” (Gl 5,25). Neste consentimento” dado ao Espírito Santo, o Pai nos dá a força. “As tentações que vos acometeram tiveram medida humana. Deus é fiel; não permitirá que sejais tentados acima de vossas forças. Mas, com a tentação, Ele vos dará os meios de sair dela e a força para a suportar” (1 Cor 10,13).

No numero 2849: Ora, tal combate e tal vitória não são possíveis senão na oração. Foi por sua oração que Jesus venceu o Tentador, desde o começo e no último combate de sua agonia. E a seu combate e à sua agonia que Cristo nos une neste pedido a nosso Pai. A vigilância do coração é lembrada com insistência em comunhão com a de Cristo. A vigilância consiste em “guardar o coração”, e Jesus pede ao Pai que “nos guarde em seu nome”. O Espírito Santo procura manter-nos sempre alerta para essa vigilância. Esse pedido adquire todo seu sentido dramático no contexto da tentação final de nosso combate na terra; pede a perseverança final “Eis que venho como um ladrão: feliz aquele que vigia!” (Ap 16,15).

No numero 2863: Ao dizer “Não nos deixeis cair em tentação”, pedimos a Deus que não nos permita trilhar o caminho que conduz ao pecado. Este pedido implora o Espírito de discernimento e de fortaleza; solicita a graça da vigilância e a perseverança final.

Supõe-se que apenas porque as palavras “Satanás” e “Diabo” são incorporadas ao texto Masoretic, que prova a existência de um ser sobrenatural literal. No entanto, se analisarmos um pouco mais profundamente as Escrituras para ver quem ou o princípio da tentação no caso de Jesus e Eva, descobriremos algo que não pode ser facilmente descartado ou transitado como mera coincidência. Para entender o que tenta o homem, devemos pesquisar as escrituras para uma resposta (para ver se é uma personificação do mal chamado “Satanás” ou outra coisa). Eu acredito que a resposta é encontrada em I João 2:16, que diz: “Por tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e o orgulho da vida, não é do Pai, mas é do mundo.” O “Satanás” ou o “Diabo” não é mencionado como tendo nada a ver com “Tudo o que está no mundo”. O que isso nos diz é que todas as tentações do mal são desse mundo terrestre.

Como isso se relaciona com os três relatos da Tentação de Cristo? Deve ter sido uma lição importante a ser incluída nos três evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas. Em cada livro, Jesus é tentado em três situações que (ironicamente) correspondem aos três elementos de “tudo o que há no mundo”.

1. “E quando o tentador veio a Ele, ele disse: Se você for o Filho de Deus, ordene que estas pedras sejam feitas pão” Mt. 4: 3. Isso corresponde à luxúria da carne.

2. “Novamente o diabo [pequeno ‘d’, assim um substantivo] o leva a um monte muito alto, e mostra-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles” Mt. 4: 8. Isso corresponde à luxúria dos olhos. Se quisermos entender esta montanha extremamente alta para ser literal, então estamos presos com a impossibilidade de ver literalmente todos os reinos do mundo em virtude de um horizonte limitado. Mesmo se estivessem no topo do Monte. Everest, não seria possível ver todos os reinos do mundo. Isso indica que a narrativa está envolvida em figuras de discurso.

3. “Se você for o Filho de Deus, derrube-se” Mt. 4: 6. Isso corresponde ao orgulho da vida.

Esses três elementos são as únicas coisas que tentaram Cristo. O demônio neste caso, como foi com Eve e a nós mesmos hoje, é a mentalidade contraditória de ir contra Deus. Podemos superar o pensamento adverso como Jesus Cristo. Vejamos quem ou o que tentou Eve.

Se Adão e Eva permaneceram obedientes ao comando de Deus, a morte não entraria no mundo. Há um simbolismo bastante pesado acontecendo no Jardim do Éden. Adão foi formado exclusivamente por Deus e não tinha mãe de carne; e por isso, o espírito de Deus dominava sua carne de modo que ele não estivesse carinho. Eve, por outro lado, foi feita por Deus com a carne de Adão e, portanto, o navio mais fraco. Adam foi feito do pó do chão. A poeira não pode ser tentada e também o Espírito de Deus (Tiago 1:13). Isso pode explicar por que havia que ter um vínculo fraco para que Eve fosse tentada. Se esse não fosse o propósito de Deus, ele teria criado Eve fora da poeira também. Como tal, nenhum deles poderia ter sido tentado na carne.

As três tentações de “tudo o que há no mundo” (I João 2:16) também foram colocadas sobre a carne de Jesus (Lucas 4: 1-13). Cristo tinha um Pai celestial (criador) e também uma mãe de carne (Maria). A diferença entre estas duas tentações (Jesus e Eva) é que Cristo superou a carne. Sabemos que o Espírito de Deus não pode ser tentado sem a introdução da carne. Após 40 dias de jejum no deserto, foi a própria fome, visualização e ambição potencial de Jesus que entrou em Seu estado ou condição mental.

A “árvore do conhecimento” representa a lei de Deus em forma espiritual (Romanos 7:14). Participar de seu fruto, como Adão e Eva foram avisados ​​e descobriram traz a morte. Não era o verdadeiro fruto que infligia a morte, mas sim sua desobediência ao que o Senhor ordenara. Assim, no simbolismo de uma árvore, incorporou três manifestações de tudo o que é no mundo. Isto é: a luxúria da carne, a luxúria dos olhos e o orgulho da vida (I João 2:16). “Satanás” não está incluído em “tudo o que está no mundo”. Quando investigamos a infatuação de Eva por meio de um estimulante, ou seja, a serpente, descobrimos que as três partes de nossas tentativas mundanas foram apresentadas na tentação.

1. A luxúria da carne foi cumprida em que “a árvore era boa para a comida”.

2. A luxúria dos olhos foi cumprida em que “foi agradável aos olhos”.

3. E o orgulho da vida foi alcançado na crença de Eva de que era “uma árvore que se deseja fazer um sábio” (Gênesis 3: 6).

Talvez, conceitualmente, a palavra satanás tenha sido tão mal interpretada para se alinhar com a mitologia pagã e não com a Palavra de Deus, que é incompreensível para aqueles que foram inculcados com anos de ensinamentos supersticiosos e “doutrinas dos demônios” para acreditar no simplicidade de Cristo. Deixe-me dar-lhe um exemplo comparativo de como a Bíblia diz o mesmo de duas formas diferentes. “Para este propósito, o Filho de Deus se manifestou, para destruir as obras do diabo” I João 3: 8. E então lemos a mesma premissa apenas três versículos anteriores, “Ele se manifestou para tirar nossos pecados”. Não deve ser muito difícil compreender que é a nossa natureza do pecado, que a Bíblia diz é a única coisa no mundo (que deve ser motivo de preocupação) e é: a luxúria da carne, Convoque os olhos e orgulho da vida. São estas três coisas que tentaram tanto Eva quanto Jesus, não um agente sobrenatural vicário em vez de Deus. Em James 1:14, dizemos que “todo homem é tentado, quando ele é afastado de sua própria luxúria e seduzido”. Novamente, nenhuma menção de qualquer ser sobrenatural. Isso deve dar a qualquer leitor casual uma pausa para reflexão.

uma participação da vida de Deus, em virtude dos méritos de Jesus Cristo, define a vida de Deus em nós, ou a vida de Jesus em nós. Exatamente são essas expressões, se forem cuidadosamente explicadas, para que não tenham nenhum aspecto do panteísmo. Não é em nós uma vida idêntica à de Deus ou Nosso Senhor, mas uma semelhança, uma participação finita, embora real, nessa vida.

Podemos defini-lo, dizendo que é uma participação da vida divina, conferida pelo Espírito Santo quando vivemos em nós, em virtude dos méritos de Jesus Cristo, que devemos encorajar defender contra as inclinações contrárias a ele.

Veja que a vida sobrenatural é uma vida em que Deus tem a parte principal, e nós o secundário. Deus, o Deus de Triune (que também é chamado de Espírito Santo) vem a nós para nos dar a vida sobrenatural; porque só ele pode nos fazer participar disso. Ele nos comunica em virtude dos méritos de Jesus Cristo (n. ° 78), que é a causa meritória, exemplar e vital de nossa santificação. É, então, muito verdadeiro que Deus vive em nós, que Jesus vive em nós; mas nossa vida espiritual não é idêntica à de Deus ou de Nosso Senhor, mas

diferentes, e eles são apenas parecidos um com o outro. – Nossa vida, em nós, é que usamos os dons divinos para viver em Deus e para Deus, para viver em união com Jesus Cristo e para imitá-lo; e, porque a concupiscência tripla (n.33) ainda habita em nós, não podemos viver senão com a condição de lutar contra ela com ousadia; Por outro lado, Deus nos dotou de um organismo sobrenatural; devemos procurar o seu crescimento com atos meritórios e a fervorosa recepção dos sacramentos.

Tal é o significado da definição que damos; Todo o capítulo não será senão a explicação e a explicação dele, e assim podemos deduzir com seqüências práticas sobre devoção à Santíssima Trindade, devoção ao Verbo Encarnado

nossa união com ele, e também sobre a devoção à Santíssima Virgem e aos santos, que deriva do seu relacionamento com o Verbo Encarnado.
Embora a ação de Deus e a da alma sejam desenvolvidas em paralelo na vida cristã, tentaremos, para maior clareza, em dois artigos separados, a obra de Deu

Infográfico sobre a tentação de Adão e de Jesus Cristo

São Paulo chama Jesus de “segundo Adão” (Rm 5).

Tagged in :

Avatar de vozdedeus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *