São João da Cruz

Avatar de vozdedeus

São João da Cruz teve uma vida simples. Nasce numa família pobre de artesãos em Fontiveros na Espanha, provavelmente  no dia 24 de junho de 1542. Tem uma infância de luta e pobreza. Sua mãe Catalina Alvarez de origem pobre casou com Gonzalo de Yepes de uma família de posses. Este Casamento não é bem visto pela a família de Gonzalo, que acaba deserdando-o.

São João da Cruz ainda menino perde o pai, sua a mãe se vê obrigada mudar com a família em 1548 para Arévalo. Em 1551 transfere-se para Medina del Campo, estuda numa escola destinada a crianças pobres. tornasse um Sacristão e arruma emprego como “esmoleiro” para o Hospital das Bubas (Doenças Infecciosas).

São João da Cruz, foi também pintor de parede, entalhador, trabalhava de dia e estudava a noite.

Aos 20 anos decide ser Carmelita, ao se ingressar na ordem do Carmelo, dedicou sua vida a oração e ao silencio em 1563, acontece a Profissão e ele recebe o nome de Frei João de São Matias, em Medina del Campo.

São João da Cruz agora frei passa a ser perseguido pelos seus irmão de comunidade pelo seu jeito de ver a oração e a própria ordem do Carmo. Ele suporta tudo isso com grande amor e paciência (1578-1579) São João da Cruz se torna o poeta do inefável, encontra seu caminho pela escrita e poesia “poeta de Deus” este caminho, feito de noites escurar, silencio e oração vai leva-ló ao um encontro pessoa com Deus.

Em 1567 foi se encontrar com Santa Teresa, ela afirma ter grande adimiração por ele e faz uma proposta de Reforma da Ordem Carmelita para os padres, São João ainda um jovem com apenas 25 anos aceito, e junto com a mundança decide mudar tambem seu nome de Frei João de São Matias para Frei João de São da Cruz.

Com a ajuda de Frei Antônio de Jesús Heredia no ano de 1568, inicia a Reforma. Que não foi bem aceito por muito irmão da ordem isso acabou gerando ao santo fundador maus tratos físicos e difamações, foi preso em Toledo no ano de 1577 ficando ali por oito meses no cárcere.

Mas a sua doutrina so almentava, como uma chama pela poesia ele escreve sobre as noites escuras, disse o Santo. “Fomos feitos para o amor”. “O único instrumento do qual Deus se serve é o amor”. “Assim como o Pai e o Filho estão unidos pelo amor, assim o amor é o laço da união da alma com Deus”.

Em agosto de 1591 foi transferido para o convento de Ubeda, onde chegou doente, não foi bem acolhido e  sofreu maus, sofria perseguição do então Frade e Pior Diego Evangelista, veio a falecer em 14 de dezembro de 1591. O seu corpo é trasladado a Segóvia em 1593.

O próprio Santo Papa João Paulo II vai ficar admirado com a obra de São João da Cruz.

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/DUSCVIgBXvw" frameborder="0" allow="autoplay; encrypted-media" allowfullscreen></iframe>
João da Cruz Mestre do tudo e do nada, Doutor da Igreja. No ano de 1991 em comemoração ao no quarto centenário da morte de São João da Cruz, o Santo Papa João Paulo II enviou uma Carta Apostólica aos Provincial Geral dos Carmelitas Descalços, com o titulo “João da Cruz, Mestre a fé e testemunho do Deus vivo. ”

São João Paulo II, fez seu primeiro doutorado sobre a doutrina da Fé segundo São João da Cruz, ainda com padre,  “As obras de São João da Cruz pertencem a um gênero literário único.” afirma o São João Paulo II.

Já em 1982, durante sua visita à Espanha, o papa havia dito aos espanhóis: “Leia continuamente as obras dos grandes Mestres do Espírito. Quantos tesouros de amor e fé você tem ao seu alcance em sua bela linguagem! ”

Em Segovia, junto ao túmulo de João da Cruz, ele havia dito: “João da Cruz, mestre da fé, grande mestre das trilhas que levam à união com Deus, teólogo e místico, poeta e artista” .

O próprio João Paulo II, o jovem Karol Wojtyla, de dezenove anos, acabara de perder o pai, o único membro restante de sua família e com quem vivia. Seu pai morreu em solidão sem a companhia de seu filho. Como a morte do jovem sensível e profundamente religioso esmagou sua morte! Karol chorou amargamente. – “Me aconteceu três vezes uma grande tristeza: todos eles minha mãe, meu irmão, meu pai, eles deixaram este mundo sem que eu tivesse o consolo de acompanhá-los no último momento”.

Aparece na vida de Karol uma figura importante, Jan Tyranowski, que exerceu poderosa influência em grandes círculos de Cracóvia. Ele era alfaiate de profissão, mas trabalhou nas pedreiras com Karol. Ele era um verdadeiro místico. Ele iniciou Wojtyla na leitura de San Juan de la Cruz. Com ele conheceu o mais esperançoso da juventude polaca.

Eles estudaram São João e Santa Teresa de Jesus. De que a escola clandestino na invasão nazista completo, não só surgiu Wojtyla: um grande setor da Polônia deve muito a sua fé firme, adulto e compacto, no turbilhão das piores tempestades, a influência do Místico Doutor. Em constante comunicação com Tyranowski e seus amigos, bebe em abundância a solidez e a beleza de San Juan de la Cruz. Clima adequado para a decisão de ser um padre para germinar.

Entende-se que, quando Karol Wojtyla chega a Roma enviado pelo Cardeal Sapieha, arcebispo de Cracóvia, para fazer seu doutorado em teologia, escolha San Juan, para estudar e escrever sua tese: “O ato de fé em São João da Cruz” , sob a direção do padre Garrigou-Lagrange.

 

Mais tarde, ele publicou em 1951: Humanismo de San Juan de la Cruz, o mistério e o homem que foi sua tese de doutorado na Faculdade de Teologia de Cracóvia. O cardeal Wojtyla agradeceu a Tyranowski. Um papa com uma mente vigorosa, com a mesma cabeça decidiu escolher pelo mentor espiritual mística espanhola … quando que o Papa surpreendeu o mundo por sua coragem, força pessoal, coragem, liderança espiritual,-divina humana harmonia, apreciou o doutorado de San Juan e tornou atual.

Há uma harmonia na vida de Wojtyla e Fray Juan. Ambos sofreram duros testes. Mas a cruz os amplificou. Para outros menos grandiosos, a cruz os degrada, deixa-os ressentidos para sempre. Ambos saborear a beleza: os altos picos nevados, as montanhas e moitas – plantadas pela mão do Amado -. Ambos gostam de trabalhar antes do sacramento da Eucaristia. Ambos escrevem poesia. E os dois gostam de flores.

Frei Juan gostava de adornar os altares com eles durante toda a vida e cantava para o Amado que caminha entre as flores. E sua sensibilidade captou a beleza das flores e rosas. E das guirlandas nas frescas manhãs escolhidas. E ele aprendeu a deixar seu cuidado entre os lírios esquecidos. Wojtyla cultivou as flores no jardim de sua arquidiocese de Cracóvia, disse Marcelo González Martín em seu prólogo ao sinal de contradição. Flores frescas que depois perfumaram a sua capela eucarística.

João Paulo II disse que ao elaborar a sua tese “, intuiu que a síntese de João da Cruz contém não apenas uma doutrina teológica sólida, mas acima de tudo, uma exposição da vida cristã em seus aspectos básicos, tais como comunhão com Deus, a dimensão contemplativa da oração, a força teológica da missão apostólica ea tensão da esperança cristã “. São João da Cruz nos deixou uma grande síntese de espiritualidade e experiência mística cristã.

E no âmbito tomista de pensadores poloneses existentes, também devemos situar Kalinowski, professor na Universidade de Lublin e depois exilado na França, e Swiezaws, encomendado pelo Episcopado polonês como um auditor leigos no Concílio Vaticano II, duas personalidades importante, em cuja obra e abordagens estudo pegada e lendo -profunda- João da Cruz, claramente aparece totalmente assimilado.

Tagged in :

Avatar de vozdedeus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *