Os 3 inimigos da alma – São João da Cruz

sao-joao-da-cruz
Avatar de vozdedeus

OS 3 INIMIGOS DA ALMA – SÃO JOÃO DA CRUZ

A espirituais essenciais para superar os inimigos da alma. Além disso, ele destaca a importância da obediência aos princípios espirituais e da busca pela graça divina como meio de fortalecer nossa capacidade de resistir às influências negativas do mundo, da carne e do eu.

Os CUIDADOS “AS  Cautelas”

São João da Cruz

 

INSTRUÇÃO E ATENÇÃO

 

1. A alma que quer logo a santa meditação, silêncio espiritual, a nudez e pobreza de espírito, onde o refresco pacífica do Espírito Santo se alegra, e da unidade é conseguida com Deus, e se livrar dos impedimentos de todas as criaturas deste mundo e defender os ardis e enganos do diabo, e libertar-se, ele precisa exercer os seguintes documentos, avisando que todos os danos que a alma é nascido e os inimigos que são mundo, a carne e o diabo.

2. O mundo é o inimigo menos difícil: o diabo é mais escuro para entender; mas a carne é mais tenaz do que todos, e seus ataques duram tanto quanto dura o velho.

3. Para derrotar um desses inimigos é necessário derrotar os três; e um está enfraquecido, os outros dois estão enfraquecidos, e os três vencidos, a alma não tem mais guerra.

 

CONTRA O MUNDO

 

4. Para se livrar dos danos que o mundo pode fazer com você, você precisa usar três precauções.

 

Primeiro cuidado (cautela).

 

5. A primeira é a respeito de todas as pessoas que você tem igualdade de amor e igualdade de esquecimento, agora sejam parentes agora não, removendo o coração dessas, bem como daqueles e até mesmo de alguns parentes, por medo de que a carne e o sangue não vivem com o amor natural que sempre vive entre os lamentadores, que deve ser mortificado pela perfeição espiritual. Tenha todos como se fossem estranhos, e assim você fará melhor com eles do que colocar o amor que você deve a Deus neles.

6. Não ame uma pessoa mais do que outra, que você errará; porque ele é digno de mais amor do que Deus ama mais, e você não sabe qual é o Deus que mais ama. Mas, esquecendo-te igualmente de todos, de acordo com o que te convém para a sagrada lembrança, serás libertado do erro de mais e menos neles.

Não pense em nada, não trate nada deles, nem bens nem males, e foge deles o máximo que puder, e se você não cumprir isso, você não saberá ser religioso, nem será capaz de alcançar a sagrada lembrança ou livrar-se de imperfeições. E se nisto você quer dar alguma licença, ou em uma ou outra vai enganar o diabo, ou você mesmo, com alguma cor do bem ou do mal.

Ao fazer isso, há segurança e, de outra forma, você não poderá se livrar das imperfeições e danos que a alma tira das criaturas.

 

Segundo cuidado (cautela).

 

7. O segundo cuidado contra o mundo é sobre bens temporários; em que é necessário, para se livrar dos danos desse tipo e para temperar o excesso de apetite, odiar todos os modos de possuir e sem cuidado para deixar você ter sobre isso: não de comida, não de vestido ou qualquer outra coisa criada , ou amanhã, usando esse cuidado em algo maior, que é buscar o reino de Deus, isto é, não faltar a Deus; que o resto, como diz Sua Majestade, nos será acrescentado (Mt 6, 33), já que aquele que cuida dos animais não o esquecerá. Com isso, você adquirirá silêncio e paz nos sentidos.

 

Terceira cuidado (cautela).

 

8. A terceira cuidado é muito necessária para que você saiba como manter no convento todo o dano sobre os religiosos; que, não tendo muitos, não só perdeu a paz e o bem de sua alma, mas eles vieram e vieram ordinariamente a dar grandes males e pecados. Isto é que você mantém com todos os guardas para colocar o pensamento e menos a palavra no que acontece na comunidade; O que é ou não tem de qualquer religião em particular, não de sua condição, não de seu tratamento, não de suas coisas, embora mais sério, nem com a cor do zelo nem com o remédio, mas com quem de direito concorda, para dizer isso seu tempo; e nunca escandalize ou maravilhe-se com coisas que você vê ou compreende, tentando manter sua alma esquecida de tudo isso.

9. Porque se você quer olhar para algo, mesmo se você vive entre os anjos, você parece muitas coisas não está certo, você não entender a substância deles. Que leva para a esposa o exemplo de Lot (Gn. 19, 26), que foi alterada por causa da destruição dos sodomitas virando a cabeça para olhar para trás, tornando-o o Senhor puniu em estátua de pedra e sal. Para que saibas que mesmo se você viver entre demônios, Deus quer tal maneira vívida entre eles ou virar a cabeça pensava suas coisas, mas deixá-los totalmente, procúranlo você levar sua alma pura e toda em Deus, sem um pensando que você esotro ou impedi-lo.

E, por isso, ele verificou que em conventos e comunidades nunca deve haver nada a tropeçar, pois os demônios nunca faltam em tentar derrubar santos, e Deus lhes permite exercitar e testá-los.

E, se você não mantiver, como é dito, como se você não estivesse em casa, você não saberá ser religioso, mesmo se você fizer mais, ou alcançar a santa nudez e reclusão, ou se livrar do dano que existe nisso; porque não fazê-lo, mesmo se você tiver mais bom propósito e zelo, um do outro o diabo irá levá-lo e você é muito tomado quando você já tem espaço para distrair a alma em algo disso; e lembre-se do que o apóstolo James diz: se alguém pensa que ele é religioso, não restando sua língua, sua religião é vã (1, 26). O que é entendido não menos do que o idioma interno do que o externo.

 

CONTRA O DEMÔNIO

 

10. De outros três cuidados, deve usar aquele que aspira à perfeição para se livrar do demônio, seu segundo inimigo. Para o qual você deve notar que, entre os muitos truques que o demônio usa para enganar os espíritos, o mais comum é enganá-los sob uma espécie de bem e não sob uma espécie de mal; porque ele sabe que o mal conhecido dificilmente o tomará. E então você sempre deve desconfiar do que parece bom, principalmente quando a obediência não intervém. A cura disso é o conselho de quem você deveria tomar.

 

Primeiro cuidado (cautela).

 

11. Seja o primeiro cuidado que nunca, fora da ordem em que você é obrigado, mude para algo, por mais bom que pareça e cheio de caridade, agora para você, agora para outro qualquer pessoa dentro e fora da casa, sem ordem, de obediência. Você ganhará neste mérito e segurança: você se eximiu de propriedade e você foge dos danos e danos que você não conhece, que Deus perguntará em seu tempo, e se isso não o mantém no pequeno e o grande, mesmo que pareça com você mais certo, você não será capaz Pare de ser enganado pelo demônio tanto em pouco quanto em muito. Mesmo se você não governar pela obediência, você já erra culpado, porque Deus mais quer obediência do que sacrifícios (1 Re 15, 22), e as ações dos religiosos não são suas, mas obediência, e se você as tirar disso, serão perguntados como perdidos.

 

Segundo cuidado (cautela).

 

12. O segundo cuidado é que você nunca olha para o prelado com menos olhos do que Deus, seja o prelado, já que o tem no seu lugar; e avisa que o diabo coloca sua mão aqui muito. Desta forma, o lucro e o lucro são ótimos, e sem essa grande perda e dano. E, portanto, com grande vigilância, certifique-se de que você não olhe para a sua condição, ou o seu caminho, ou o seu caminho, ou outras formas de proceder com eles; porque você se machucará tanto que você virá para mudar a obediência de divino em humano, movendo-se não movendo-se apenas pelas maneiras que você vê visível no prelado, e não pelo Deus invisível, a quem você serve nele. E sua obediência será vã ou mais infrutífera, mais você, pela condição adversa do prelado, agravará-se ou pela boa condição em que você se aclarará.

Se isso não for feito com força, de modo que você não receberá mais do que um prelado, quanto ao seu toque particular, de modo algum você pode ser espiritual ou manter seus votos bem.

 

Terceira cautela (cautela).

 

13. O terceiro cuidado, corretamente contra o diabo, é que, do seu coração, você sempre procura se humilhar em palavras e obras, regozijando-se tanto com o bem quanto com os outros e com você e querendo ser colocado diante de você em todas as coisas, e isso com verdadeiro coração. E assim você vencerá o mal no mal (Rm 12, 21), e você vai afastar o diabo e trazer alegria de coração, e isso procura exercer mais naqueles que menos gostam de você. E saiba que se você não o exercer, você não alcançará a verdadeira caridade ou aproveitará isso.

E seja sempre amigo de ser ensinado sobre tudo o que quer ensinar mesmo para aquele que é menos do que todos.

 

CONTRA-SE E SAGACIDADE DE SUA SENSUALIDADE

 

14. De mais três precauções, ele deve usar o que tem que superar a si mesmo e sua sensualidade, seu terceiro inimigo.

 

Primeiro cuidado (cautela).

 

15. O primeiro cuidado é que você entende que não veio ao convento, mas que todos devem vesti-lo e exercê-lo. E, portanto, para se livrar de todos os distúrbios e imperfeições que você pode oferecer sobre as condições e o tratamento dos religiosos e aproveitar todos os eventos, é conveniente que você pense que todos os oficiais que estão no convento o exercitam, como você pode ver eles são, e alguns trabalharão para você em palavras, outros em ação, outros em pensamentos contra você, e em tudo isso você estará sujeito, como a imagem já é para aquele que trabalha, e para aquele que pintura, e para aquele que marrom.

E se você não cumprir isso, você não saberá como superar sua sensualidade e sentimentos, nem saberá como se divertir no convento com os religiosos, nem você conseguirá a paz sagrada, nem será livre de muitos obstáculos e maus.

 

Segundo cuidado (cautela).

 

16. O segundo cuidado é que você nunca deixa de fazer as obras por causa da falta de gosto ou sabor que você encontra nelas, se é adequado ao serviço de Deus que elas são feitas. Não os faça apenas pelo sabor e sabor que eles lhe deram, mas é melhor fazê-los tanto quanto os insatisfeitos, porque sem isso é impossível que você ganhe constância e superar sua fraqueza.

 

Terceira Cuidado (cautela).

 

17. A terceira cuidado é que, nunca nos exercícios, o homem espiritual tem que colocar os olhos no salgado deles para tomá-lo e por apenas fazer esses exercícios, nem deve fugir da amargura deles, antes que ele tenha que procurar os indesejáveis ​​e laboriosos deles e abraçam isso, o que põe um freio na sensualidade. Porque de outra forma, você não perderá seu amor próprio ou ganhará amor de Deus.

Meditação

Parte 1: Cuidados contra o mundo

No caminho espiritual, a busca pela santidade e união com Deus requer cuidados e cautelas para nos proteger dos danos causados pelo mundo, pela carne e pelo diabo. São João da Cruz nos orienta sobre três cuidados essenciais para enfrentar o mundo.

O primeiro cuidado é direcionar nosso amor igualmente a todas as pessoas, sejam parentes ou não. Devemos nos desapegar do amor natural que normalmente sentimos pelos nossos familiares, pois esse amor deve ser mortificado em busca da perfeição espiritual. Tratar a todos como iguais nos ajuda a colocar o amor que devemos a Deus em primeiro lugar.

O segundo cuidado é desprezar os bens temporais. Devemos evitar nos apegar a posses materiais, sejam elas comida, roupas ou qualquer outra coisa criada. Em vez disso, devemos buscar o Reino de Deus e confiar que nossas necessidades serão supridas. Esse cuidado nos leva a encontrar silêncio e paz nos sentidos.

Por fim, o terceiro cuidado está relacionado ao convívio com os outros religiosos. Devemos evitar nos envolver nos assuntos da comunidade religiosa, mantendo a mente focada no que é correto e falando apenas quando necessário e apropriado. Ao não nos escandalizarmos ou nos surpreendermos com o que vemos ou compreendemos, conseguimos manter nossa alma livre de distrações.

Esses cuidados nos ajudam a nos proteger das influências negativas do mundo, permitindo que avancemos no caminho da santidade e da união com Deus.

Parte 2: Cuidados contra o diabo

Além de nos proteger do mundo, também precisamos ter cuidado contra o diabo, nosso segundo inimigo. O diabo é astuto e usa truques para nos enganar, muitas vezes apresentando o mal sob uma aparência de bem. São João da Cruz destaca dois cuidados fundamentais nessa luta contra o diabo.

O primeiro cuidado é buscar a obediência. Devemos seguir as ordens e direções de nossos superiores religiosos, mesmo quando algo parecer bom e cheio de caridade. A obediência nos protege de cair em armadilhas e nos mantém seguros, evitando que sejamos enganados pelo demônio.

O segundo cuidado é evitar julgar o prelado com menos reverência do que julgamos a Deus. Devemos ter um olhar de igualdade e respeito ao prelado, reconhecendo que ele ocupa um lugar de autoridade. Esse cuidado nos protege de cair em tentações e nos ajuda a encontrar benefícios e lucros espirituais.

Ao seguir esses cuidados, somos capazes de resistir às artimanhas do diabo, protegendo-nos de seus enganos e alcançando a verdadeira espiritualidade.

Parte 3: Cuidados contra si mesmo e a sensualidade

Além de enfrentar o mundo e o diabo, também precisamos estar vigilantes contra nós mesmos e contra a sensualidade, nosso terceiro inimigo. São João da Cruz nos apresenta três cautelas para vencer a nós mesmos e nossos sentimentos.

A primeira cautela é entender que entramos no convento não apenas para sermos instruídos, mas também para sermos moldados e exercitados por todos ao nosso redor. Devemos aceitar as dificuldades e imperfeições que surgem nas relações com os outros religiosos, compreendendo que eles são instrumentos divinos para nosso crescimento espiritual. Ao estar sujeitos a eles, somos capazes de vencer a sensualidade e encontrar a paz verdadeira.

A segunda cautela é não abandonar as obras apenas por falta de prazer ou satisfação. Mesmo quando não encontramos prazer nas tarefas, devemos continuar realizando-as se forem para o serviço de Deus. Essa constância nos ajuda a vencer nossa fraqueza e a desenvolver uma espiritualidade sólida.

A terceira cautela é não nos apegarmos ao que é prazeroso nos exercícios espirituais, nem evitarmos o que é amargo neles. Devemos abraçar tanto o que é agradável quanto o que é desafiador, buscando o crescimento espiritual por meio desses exercícios. Dessa forma, conseguimos domar nossa sensualidade e encontrar o amor de Deus.

Ao praticarmos esses cuidados contra nós mesmos e nossa sensualidade, nos tornamos mais fortes espiritualmente e nos aproximamos cada vez mais de Deus.

Com esses cuidados em mente, podemos seguir firmes em nosso caminho espiritual, enfrentando os desafios e alcançando uma maior união com Deus. Que possamos aplicar essas cautelas em nossa vida diária, buscando a santidade e vivendo de acordo com os ensinamentos de São João da Cruz.

Baluarte da Comunidade Voz de Deus

Texto original em espanhol 

Tagged in :

Avatar de vozdedeus

5 respostas para “Os 3 inimigos da alma – São João da Cruz”

  1. Avatar de Marco Vigo
    Marco Vigo

    Gostei muito do conteúdo OS 3 INIMIGOS DA ALMA – SÃO JOÃO DA CRUZ, na verdade sou suspeito, porque gosto muito de SÃO JOÃO DA CRUZ. Obrigado Comunidade Voz de Deus

    1. Avatar de vozdedeus
      vozdedeus

      Obrigado Marco. Deus te abençoe! São João da Cruz é maravilho mesmo.

  2. Avatar de Lúcia
    Lúcia

    Fico envergonhada e em perguntar mas vamos lá, é mesmo possível vencer o Pecado da Carne? Isso é só para alguns ou é para todos? Os escolhidos de Deus também pecam. Desculpa o monte de Pergunta, mas ficarei grata se puderem responder

    1. Avatar de vozdedeus
      vozdedeus

      Pergunta é 1 sim é possível vencer o Pecado da Carne, o importante é buscar a confissão e um diretor espiritual ele via te ajudar. Respondendo as outra duas. Nosso Deus justo e misericordioso, então ele da a mesma possibilidade para todos. Mas ele mesmo disse que veio para salvar os pecadores Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento. São Lucas 5:32

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *