Ler a Bíblia como os Carmelitas

Ler a Bíblia como os Carmelitas
Avatar de vozdedeus

[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text _builder_version=”3.12.2″ module_alignment=”left”]

Ler a Bíblia como os Carmelitas, o que isso pode melhor em minha vida, para que busca um aprofundamento na sua espiritualidade nada melhor que tentar seguir os passos dos Carmelitas, não é por acaso que a Ordem do Carmo tem um dos maiores números de Santo da Igreja Católica. Dentre os santos eu destaco três místicos do Carmelo que são baluartes da comunidade Voz de Deus Teresa de Ávila, São João da Cruz e Santa Terezinha do Menino Jesus.

Ao ler os escritos dos santos sempre vamos encontrar três expressões a Oração, a Meditação e a contemplação.

Para que haja um melhor aproveitamento vamos começar entender porque é importante ler a bíblia. A bíblia é o livro mais vendido e o mais traduzido do mundo.

Isso mostra o quanto este livro chama a atenção de homens e de mulheres, algumas pessoas podem achar que é por curiosidade ou medo da morte que as pessoas buscam ler a bíblia, mas para nós Católicos a bíblia é a palavra de Deus viva. É Deus falando aos homens.

A Bíblia Sagrada e setembro o que isso tem em comum?

Setembro para todos os católicos do Brasil é o mês da Bíblia, isso ocorre desde 1971 em todo o território nacional, uma homenagem ao biblista São Jerônimo ele nasceu em 340 e faleceu em 420 dC, No Brasil desde 1947, já se celebrava o Dia da Bíblia em 30/09, data de falecimento do santo, hoje em dia se comemora no último domingo do mês de setembro.

“No ano 382, o então Padre Jerônimo foi chamado pelo papa Dâmaso para ser seu secretário particular. Em Roma, recebeu a missão de traduzir a Bíblia do grego e do hebraico, para o latim. São Jerônimo dedicou quase toda sua vida a este tralho. O conjunto final de sua tradução da Bíblia, em latim, se chamou “Vulgata” e se tornou oficial no Concílio de Trento”

Curiosidade: Vulgata é a abreviação de vulgata editio ou vulgata versio ou vulgata lectio, quer diser “edição, tradução ou leitura de divulgação popular” – chamada de versão mais difundida (ou mais aceita como autêntica) de um texto.

São Jerônimo foi um grande biblista e foi ele quem traduziu a Bíblia dos originais (hebraico e grego) para o latim, que naquela época era a língua falada no mundo e usada na liturgia da Igreja. Fonte Cansão Nova“.

O professor e biblista Frei Carlos Mesters, costuma nos provocar com a seguinte pergunta “Qual o livro mais importante que Deus escreveu para nós?”. e quase sempre todos respondem “A Bíblia!”. e eles fala que estamos errados e explica porque. veja um texto onde ele responde.

São dois livros que Deus escreveu

O Frei Carlos Mesters citava Santo Agostinho “Santo Agostinho falava que Deus escreveu dois livros. E o primeiro livro escrito por Deus não foi a Bíblia, mas, sim, a criação plena, de todas das coisas, a natureza, a vida. O Livro da Vida é por ele que Deus quer falar conosco.”

A palavra de Deus criou tudo. Ele disse: “Luz!”. E a luz começou a existir. E Assim foi feito, tudo o que vemos é palavra de Deus uma palavra divina. Cada ser humano é uma palavra viva de Deus.

O Frei Carlos Mesters continua a nos questionar e provocar uma reflexão. Será que nós temos consciência disso? As pessoas olham a natureza, mas não se lembra de Deus.

Não percebemos que fazemos parte do sagrado livro, vivemos dentro deste livro, com a natureza, os animais os homens são uma página do livro da vida escrita por Deus

Agostinho diz que foi o pecado, homem quer dominar tudo, quer ter o controle absoluto e isso acabou fazendo com que perdêssemos o olhar da contemplação. Texto baseado na Frei Carlos Mesters ver matéria inteira

Vamos ver um pouco de um conteúdo do Frei Carlos Mesters, frei carmelita e biblista.

  1. santos carmelitas ultrapassou os limites do contexto eclesial do tempo em que viveram

Desde o Patriarch Alberto, autor da Regra do Carmelo, no século XIII, a Santa Teresa de los Andes no século XX, com todos os santos do Carmelo eram filhos e filhas de seu tempo. Todos eles viviam em um contexto cultural eclesial e com muitas limitações e constrangimentos que influenciaram a leitura da Bíblia fez. Mas o contexto histórico não é totalmente condicionado pela atitude tomada contra a Bíblia ajudou a superá-lo.

 Não tivemos acesso a traduções da Bíblia no vernáculo

Apenas a tradução latina da Bíblia, foi utilizada a Vulgata. Na época da Regra, as pessoas não tinham acesso direto à Bíblia. Eles foram chamados de ” Bíblia dos pobres”, com base em imagens e pinturas, que foram utilizados para a formação pessoal dos crentes na catequese e na pregação. Refletindo essa são as pinturas, mosaicos e afrescos de igrejas e catedrais. No momento da Teresa de Jesus, João da Cruz e Maria Magdalena de Pazzi.

No século XVI, foi proibido de ter uma Bíblia em língua vernácula. As autoridades da Igreja temiam o povo, o contato com a Bíblia, poderia deformar religiosamente e foram para desviar da fé. Curiosamente, naquele mesmo tempo, no norte da Europa, o protestantismo crescente recebendo grande visão por causa da Bíblia no vernáculo colocado nas mãos do povo. No final do século XIX e início do XX, Teresa de Lisieux e Teresa de los Andes, também tinha acesso direto a toda a Bíblia e estavam satisfeitos em conhecer os textos que levaram o ofício divino e os escritos de autores espirituais. Teresa de Lisieux pode acessar muitos textos do Antigo Testamento através das notas que sua irmã Celina deu-lhe para entrar no convento. Teresa de los Andes e foi capaz de acessar uma tradução do ofício divino é o espanhol.

A espiritualidade do tempo foi pouco com base em escritura

vida cristã era mais devocional e ascético que bíblica como pode ser deduzida a partir de livros de formação espiritual que foram lidos nos conventos da época. Especialmente à do final do século passado, norte da França, na época em que viveu Santa Teresa de Lisieux, foi desenvolvido com a mentalidade rigorista expansão da “jansenismo”, que tinha pouca afinidade com o pensamento bíblico e fez muito dano ao experiência e compreensão da mensagem do Evangelho de Jesus.

 A Bíblia foi geralmente considerada como um depósito de frases

A Bíblia foi usada mais como um repositório de frases e dicas para guiar a vida moral e ascética dos cristãos e para provar a dogmática e teológica, ao invés de um livro da tese de vida e espiritualidade. Ao contrário do que está acontecendo atualmente na época não havia interesse em história ou atenção teologia para o lento crescimento do reino de Deus, tal como apresentado pela Bíblia emprestado. E assim houve uma forte consciência de que é um projeto divino realizado na história é revelada. Escritura foi usado principalmente para testar o projeto e a doutrina da Igreja da época.

Exegesis do tempo foi principalmente allegoric

Exegese que foi feito da Bíblia não foi guiado pelo interesse de encontrar o significado literal de textos através crítica histórico-literária, como temos isso hoje. Em cada texto um sentido adaptado para a vida, independentemente da direção que o texto tinha no seu próprio contexto literário e cultural é procurado. Foi quase sempre lendo devocional, baseada mais no sentimento de rigor científico. A leitura alegórica da Bíblia, quando feito sem fundamentada em uma leitura crítica do texto, pode levar ao abuso e ao fundamentalismo rígido e práticas religiosas falsas e prejudiciais.

 As mulheres tinham acesso parcial a Bíblia através da liturgia e os autores sagrados

As mulheres tinham acesso à Bíblia era muito limitado. Eles ouviram a Bíblia na liturgia e em latim, uma língua que era desconhecida para a maioria deles. Houve quase uma Bíblia disponível para eles no vernáculo. Maria Magdalena de Pazzi , aparentemente, tinha algum conhecimento do latim, ele cita um algumas frases da Bíblia nesta língua. Santa Teresa confessa que Jesus não entendia Latina. Diferente é o caso de Teresa de los Andes, momento em que, no início deste século, houve uma tradução espanhola do Ofício Divino.

 A mulheres foram proibidos de comentar sobre a Bíblia

O livro bíblico era homens. Especialmente a hierarquia eclesiástica. No século XVI, no tempo de Santa Teresa e São João da Cruz, a Inquisição estava assistindo com força para que a Bíblia não atinge as mulheres. Várias convicções da época mostram que a vigilância era rigorosa e faz destacar mais fortemente a coragem de Santa Teresa de Jesus que se atreve a comentar sobre algumas partes da Escritura. Todos estes condicionamentos usam influenciado os santos carmelitas fez a Palavra de Deus, mas não conseguiu parar toda a sua espiritualidade e sua mensagem foi fundada na Bíblia. Entre eles havia algo, uma experiência de vida e Deus tão forte que teve de superar o contexto histórico e tornar a vida diária atingir a meta da Palavra de Deus.

A desvantagem das mulheres em relação aos homens sobre o acesso à Bíblia e de leitura, e não os prejudicar na sua experiência e seu acesso a do mistério de Deus. Pelo contrário. As mulheres e os homens Carmelitas alcançar a santidade através da meditação e prática da Palavra de Deus.

Regra do Carmelo recomenda a leitura da Bíblia explicitamente Ánueve vezes! Teresa de Jesus usou citações da Bíblia, muitas vezes para expor a sua doutrina e diz explicitamente o Senhor ‘s Prayer e algumas frases do Cântico dos Cânticos; María Magdalena de Pazzi tem a sua mística de ler e meditar sobre os textos bíblicos nos ouvidos experiências liturgia. Teresa de Lisieux, final do século passado, conhece os Evangelhos quase de cor, faz -los de ligação e carrega-los perto de seu peito, e os torna o padrão de vida e luz mostrar, através de todas as páginas de suas obras. Da mesma forma, o chileno Santa Teresa dos Andes, apesar de não ter toda a Bíblia, vem a ter uma grande familiaridade com os Evangelhos.

  1. O processo de interpretação da Bíblia nos santos do Carmelo: iluminação mútua entre Bíblia e experiência de Deus na vida

Referimo-nos aqui à atitude interpretativa que têm os santos do Carmelo em relação à Bíblia. É como enumerar essas características marcantes que caracterizam o que poderíamos chamar uma leitura carmelita das Escrituras. A Bíblia ocupa um lugar central na vida e nos escritos dos santos carmelitas, a tal ponto que se pode dizer que todos eles tinham um “instinto bíblica.” Apesar dos limites de utilização e acesso à Bíblia imposta a eles pelo tempo, a vida de todos eles foram profundamente bíblica. Isto é, uma realização e uma amostra do que a Palavra de Deus pode produzir em todas as pessoas, como acontece hoje nas vidas de tantas pessoas boas e humildes que vivem segundo a vontade de Deus sem saber ler ou sabe muito sobre a Bíblia.

Regra del Carmen em si, apesar de ser tão curta, que tem mais de cem citações e evocações da Bíblia. Tudo isso foi feito com frases bíblicas. Os escritos de João da Cruz são como uma citação contínua da Escritura, tanto do Antigo e do Novo Testamento; Santa Teresa de Jesus sempre quis dominar o que a Bíblia diz e ela encontrou força e conforto para a sua vida e os negócios difíceis de suas bases do novo Carmelo. Santa Teresa de Lisieux admite que na ocasião só serviu como a comida Evangelho. Também muitas expressões de Teresa de los Andes revelar uma grande inspiração bíblica. O mesmo poderia ser dito de Elizabeth da Trindade em relação às cartas de São Paulo.

 ler a Bíblia de vida

santos carmelitas ter lido a Bíblia a partir de sua própria experiência humana e cristã, que se torna verdadeira chave para eles ler e porta de entrada para a Bíblia. Neles algo que é anterior à leitura do texto da Escritura e marcando-os e influências radicalmente. É a vida. É humana e cristã experimentá-los e eles têm Deus na vida. É amizade e união com Deus através de todo o seu ser. Esta experiência faz descobrir na Bíblia um sentido e uma luz que outros não conseguem encontrar, por onde não há experiência de união e amizade com Deus não pode entrar em profundidade na Bíblia. É como quando duas pessoas olharem para uma fotografia de um muito jovem. Um deles é o amor, o outro é apenas um conhecido. Ambos olhando para a mesma imagem, eles descobrem que ele sente muito diferentes e têm sentimentos diferentes. A diferença vem da experiência antes de entrar em contato com a imagem, diferente em cada um em relação aos jovens. Da mesma forma, a intimidade com Deus, cultivada pelos santos carmelitas, criando uma familiaridade com a Palavra de Deus, que ia muito além das possibilidades que ela abre uma pesquisa literária e histórica simples. luzes feitas e descobrir novos sentidos e perceber a Palavra de Deus como uma palavra de perto e necessário para a vida.

Leitura da Bíblia dos santos do Carmelo tem sido sempre “sabedoria”, ou seja, o contato com a vida e para iluminar a vida à luz da vontade de Deus. Assim, a Palavra de Deus comunicou-lhes uma “sabedoria de vida”. E as palavras de Jesus foram cumpridas: “Pai, graças te dou que tu escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos” (Mt 11:25). E as palavras que dirigiu a Timóteo: “Sagradas Escrituras têm o poder de comunicar a sabedoria que conduz à salvação através da fé em Jesus Cristo” (2 Tim 3,15).

A Bíblia é para eles luz

Para os santos do Carmelo a Bíblia sempre foi como uma luz que os ajudou a compreender e iluminar os processos e experiências espirituais si, através da sabedoria que fez leitura das Escrituras. Eles viram a Bíblia como “a experiência modelo , ” o paradigma do caminho de fé e de como se relacionar com o ser humano com Deus. Ele os ajudou a perceber, por exemplo, que a experiência da aparente ausência de Deus e as experiências dolorosas da vida eram parte do caminho do crente. Um pouco o que Jesus fez com os discípulos na estrada para Emaús , quando ele usou precisamente a Bíblia para mostrar que a experiência da cruz era parte da palavra profética sobre o Messias e, portanto, não deve ser motivo para perder a esperança.

 Com a Bíblia explicar sua jornada de fé

A Bíblia ofereceu os santos Carmelitas, imagens e palavras que permitiram a expressar e descrever os seus próprios processos e experiências de fé internos. Esta iluminação mútua entre Bíblia e experiência de Deus na vida é nascer uma das mais belas características encontradas nos escritos dos santos carmelitas. Eles usam palavras, diagramas e imagens bíblicas para explicar e contar suas próprias experiências espirituais. Por exemplo, na Regra de Santo Alberto um ideal de vida à luz da experiência da primeira comunidade cristã nos Atos dos Apóstolos é proposto; mas muitas vezes não sabe se a regra está citando a Bíblia ou está expressando as suas próprias ideias sobre a vida comum. João da Cruz, por exemplo, tem em mente o êxodo do Egito, as dores de Trabalho ou os sofrimentos do povo no exílio para explicar sua doutrina sobre a noite escura, ou a experiência amorosa descrita no Cântico dos Cânticos para descrever a união da alma com Deus. Outro exemplo clássico é o de Santa Teresa de Jesus usa muitos personagens bíblicos em uma espécie de tipologia bíblico-espiritual , para descrever as diversas “moradas” no Castelo Interior; e freqüentemente usado frases e experiências bíblicas para descrever algo de sua própria experiência mística. Teresa de Lisieux também serviu imagens e textos da Escritura para falar, por exemplo, a sua vocação de ser “amor no coração do Iglesi ” ou para expor sua doutrina do “El Caminito”.

De sua própria experiência têm preferências por livros certos, textos, personagens e eventos da Bíblia

Determinados regimes bíblicos aparecem mais frequentemente em seus escritos. Por exemplo, o Êxodo , Jó, Jeremias, o Cântico dos Cânticos, os Salmos e os Evangelhos. Estas preferências nem sempre são permanentes, nem exclusiva, nem mais importância deve ser dada de possuir. Eles são apenas indicativos das grandes linhas de força que marcaram a espiritualidade carmelitana ao longo da história. Não se esqueça que foi curiosamente a frase livro de Provérbios, que ajudou Teresa de Lisieux para terminar formando sua doutrina da “pequena via” espiritual. O mesmo deve ser dito do hino ao amor em 1 Coríntios 13 que o ajuda a expressar a sua missão e sua vocação de ser “amor no coração da Igreja”. Preferências dependem em tempo vivem. Mas não se pode negar que os santos do Carmelo não é uma grande inclinação para os Evangelhos e os Salmos, ou João da Cruz tem um grande carinho para o Antigo Testamento, enquanto Teresita é claramente o novo um .

  1. Características da interpretação bíblica dos santos Carmelitas

Na fidelidade à Igreja e dentro do contexto maior da grande tradição eclesial

Ler ou ouvir a Bíblia eles estão conscientes de estar na frente de um livro que não é sua, mas da Igreja. João da Cruz, por exemplo, sempre insiste que explicam seus poemas em que a Igreja ensina. Ele não diz simplesmente preocupação ortodoxia em um momento em que a Inquisição era muito ativo, mas porque você quer ser localizado dentro da grande tradição da Igreja, que recebe luz e força, como uma lâmpada que ilumina porque está ligado ao rede nacional de eletricidade. Quando ele lê e explica a Bíblia, Juan de la Cruz quer entrar no grande rio da Tradição eclesial através dos séculos. Santa Teresa, também, quando você usa a Bíblia e enviar comentários durante toda a doutrina da Igreja. Em suma, os santos do Carmelo quando eles lêem a Bíblia não está sozinho, mas sentir-se unidos com nossos irmãos e irmãs antes que eles tentaram “meditar sobre a lei do Senhor dia e noite”, conforme exigido pela Regra.

Interpretar a Bíblia com liberdade e criatividade

Os santos carmelitas mostram grande liberdade e criatividade na interpretação da Bíblia, capturando-lhe um significado que vai além do que os limites e permitiu-lhes para condições históricas e eclesiais. Teresa de Jesus, por exemplo, refere-se a mulheres do Evangelho e sua proximidade com Jesus para mostrar que eles não devem ser excluídas das graças espirituais, e exclama: “Não aborrecisteis, senhor minha alma quando andábais do mundo mulheres, antes das favorecisteis sempre … não como os juízes deste mundo que são como filhos de Adão e, finalmente, todos os homens, não as mulheres com menos não envolvendo suspeita …”. E quando você se lembra o texto que Paulo ordena que as mulheres devem permanecer em silêncio na igreja (cf. Tit 2,5, 1 Cor 14,34), recebe uma palavra que ele diz: “Diga-lhes para não seguir apenas uma parte da Escritura, a olhar para os outros, e se eles vão talvez ser capaz de amarrar minhas mãos. ” Outro caso exemplar é Santa Teresita, na meio de uma sociedade e marcado por rigorismo do jansenismo igreja, administra a redescobrir as páginas do Evangelho o rosto misericordioso de Deus.

Manifestar um “obediência profético” contra o tempo estrutural eclesial

Obediência profética significa que devemos obedecer a Deus do que aos homens. Se você obedecer homens não é porque os homens, mas por causa da fé em Deus. Os santos carmelitas, muitas vezes com a ajuda da Bíblia, teve a coragem de discordar de algumas estruturas e práticas da igreja de seu tempo. Teresa de Jesus, por exemplo, critica a vida religiosa de seu tempo e teólogos que não é suficientemente valorizado a dimensão humana de Jesus no caminho espiritual ou negado a relevância da oração mental para as mulheres está enfrentando. E João da Cruz, guiado pela Bíblia, não poupa críticas de seu tempo na busca de consolações espirituais e visões e negligenciado a essência teológica do caminho da fé.

Sempre procurar uma leitura informada dos textos bíblicos

Uma característica importante da leitura dos santos do Carmelo tem sido a sua propensão para a abordagem crítica e grave para a Bíblia. Então eles tentaram basear o significado espiritual dos textos no sentido literal do mesmo, como quando apreciado e solicitado a contribuição dos chamados “eruditos” teólogos da Bíblia estudiosos para iluminá-los. Eles nunca caiu na ilusão de “fundamentalismo” e excedeu os limites de uma leitura meramente alegórica da Escritura, que era tão comum na época e pode ser invocada para justificar qualquer teoria em nome de Deus.

Santa Teresa tem uma predileção especial para estudiosos do texto bíblico. Ela diz, “porque na Escritura que coisa, sempre encontrar a verdade do bom espírito.” E assim procurando os teólogos que têm “letras”, que conhecem e estudam a Bíblia, consulta e aconselha as pessoas de oração “, e embora este parece não são necessárias cartas, minha opinião sempre foi e será que qualquer cristão tentar para lidar com quem tem bom, se você pode, e quanto mais, melhor. ” Ele não quer espiritualidades superficiais e enganosas, assim que olhar para os estudiosos a esclarecê-lo: “No verdades da Escritura, nós fazemos o que devemos; Devoções para BOBAS salvar -nos Deus. ” João da Cruz, mas muitas vezes faz com textos alegóricos e interpretações acomodatícia demonstra conhecer e interesse no contexto literário das passagens. E Santa Teresa de Lisieux, Doutor da Igreja, confessa que ele teria gostado de estudar hebraico e grego para entender as línguas em que Deus escolheu para falar com os homens.

O contexto litúrgico é por eles um elemento constitutivo da sua interpretação bíblicos

Eles ouvem a Bíblia sobretudo na liturgia. É no contexto da celebração de fé, onde formulário de contato insider com os textos das Escrituras. Este item aparece especialmente María Magdalena de Pazzi e Teresa de los Andes. Essa dimensão aparece em conexão com a centralidade da Eucaristia falado da Regra.

Interpretar a Bíblia sob dois aspectos: a interioridade e comunidade

Nas vidas dos santos do Carmelo grande maturidade humana em projetar o equilíbrio entre a vida mostra e da vida comunitária internos. Ler a Bíblia que eles têm feito leva a uma profunda experiência de Deus e, ao mesmo tempo, um compromisso comunitário e missionário no amor. A Palavra de Deus em Carmelo sempre foi fonte de luz e interioridade e impulso e força para caridade concreta.

1 Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

2 Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.

3 Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.

Salmos 1:1-3 (Salmo 1,1-3).

Carlos P. Mesters , O. Carm e Silvio José Báez,OCD. San Juan, Porto Rico de 1996.

 

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_video _builder_version=”3.12.2″ src=”https://youtu.be/H4Nn58lLdBA” image_src=”//i.ytimg.com/vi/H4Nn58lLdBA/hqdefault.jpg” /][/et_pb_column][et_pb_column type=”1_2″][et_pb_video _builder_version=”3.12.2″ src=”https://www.youtube.com/watch?v=Vts8JE2zdIQ&t=4172s” image_src=”//i.ytimg.com/vi/Vts8JE2zdIQ/hqdefault.jpg” /][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_contact_form _builder_version=”3.12.2″ email=”contato@comunidadevozdedeus.com.br”][et_pb_contact_field field_title=”Nome” field_type=”input” field_id=”Name” required_mark=”on” fullwidth_field=”off” /][et_pb_contact_field field_title=”E-mail” field_type=”email” field_id=”Email” required_mark=”on” fullwidth_field=”off” /][et_pb_contact_field field_title=”Mensagem” field_type=”text” field_id=”Message” required_mark=”on” fullwidth_field=”on” /][/et_pb_contact_form][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Tagged in :

Avatar de vozdedeus

2 respostas para “Ler a Bíblia como os Carmelitas”

  1. Avatar de Luis Lone
    Luis Lone

    Gostei muito do vídeo do Padre e Professor Frei Carlos Mesters, aqui vale um trocadilho ele é realmente Mestre!

  2. Avatar de Tainá da Silva Macedo
    Tainá da Silva Macedo

    Quando vai Acontecer outro Acampamento de Jovens

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *