Santa Teresa Benedita da Cruz – Edith Stein

Edith Stein
Avatar de vozdedeus

Edith Stein nasceu em uma família hebraica. Quando ela era uma jovem estudante de filologia germânica, ela descobriu a figura de Husserl, um grande pensador de seu tempo. Ele logo ficou infectado com seu desejo perturbador pela busca incondicional da verdade, e mudou-se para Göttingen – de 1905 a 1914 – para continuar seus estudos com o prestigiado filósofo que tanto admirava.

Em uma ocasião, depois de visitar a cidade velha de Frankfurt, lembrando com sua amiga Pauline o que sobre essa cidade diz Goethe em seus pensamentos e memórias, entrou alguns minutos na catedral. Lá ele testemunhou algo que chamou sua atenção.

“Enquanto estávamos lá, num silêncio respeitoso”, disse a própria Edith Stein, “uma senhora com sua cesta chegou e se ajoelhou em um banco, para fazer uma breve oração.

»Isso era algo totalmente novo para mim. Nas sinagogas e nas igrejas protestantes em que eu havia estado, ele foi apenas para serviços religiosos. Mas aqui qualquer um entraria no meio do trabalho diário para a igreja vazia como se para um diálogo confidencial. É algo que eu não pude esquecer. ”

Essa experiência na antiga catedral de Frankfurt não foi seu primeiro contato com a fé católica. Edith lembrou uma ocasião anterior: uma manhã em que, depois de ter ficado com um amigo em uma fazenda de montanha, o agricultor podia ver como, católico praticante, rezando com os seus trabalhadores e saúdo cordialmente no dia anterior.

O grande teste de dor

Essas adivinhações fugazes da riqueza do mundo católico encontraram um prolongamento e notável intensificação pouco depois. Foi quando ele viu sua amiga Ana Reinach passar pelo grande teste de dor.

O marido de Ana morrera na frente de batalha. Edith mudou-se para Freiburg para assistir ao funeral e consolar sua amiga viúva. Sua força, sua confiança calma de que seu marido estava desfrutando da paz e luz do Senhor, revelou a Edith o poder sobre a morte que a fé tem.

Edith teria considerado natural que Ana se rebelasse contra um infortúnio que parecia destruir o sentido de sua vida. Na verdade, esperava encontrá-la deprimida ou tensa. Mas essa paz preenchida com uma confiança profunda teve que ter uma origem muito superior a tudo o que é humano.

“Ali”, confessa Edith, “encontrei a cruz pela primeira vez e o poder divino que ela comunica àqueles que a carregam. Foi meu primeiro vislumbre da Igreja, nascida da paixão redentora de Cristo, de sua vitória sobre a mordida da morte. Naquele momento, minha descrença desmoronou.

Um livro escolhido aleatoriamente

Pouco tempo depois, Edith estava mais uma vez visitando a casa de sua amiga Ana Reinach. Ele pegou um livro aleatoriamente de sua biblioteca. «Comecei a ler, escrevia anos depois, e fui imediatamente cativado, incapaz de parar de ler até o final. Quando fechei o livro, disse a mim mesmo: esta é a verdade! ”

Aquele livro, que aumentara de maneira decisiva suas intuições anteriores sobre a fé, era a autobiografia de Santa Teresa de Jesus.

Depois de ler, Edith apressou-se a comprar um catecismo e um missal na cidade. Uma vez devidamente assimilado, ele participou de uma missa na paróquia. No final, ele se aproximou do pastor para lhe dizer que ele queria ser batizado. Aquele padre, surpreso, fez-lhe algumas perguntas para ver se ela estava pronta. Logo ele se rendeu à evidência: que a intelligentsia ateísta atendia a todos os requisitos. Em 1 de janeiro de 1922, Edith foi batizada.

Havia muitos, começando com o próprio Husserl, que se maravilhava com espanto com o que a intelectual Edith Stein podia encontrar na vida do santo de Ávila, que o levou a dar o passo definitivo em direção à área daquela fé em cujo ambiente ele tinha. mudou-se muito tempo.

A explicação pode ser intuída em algumas frases escritas por ela mesma naquele ano de 1922: “O descanso em Deus é algo completamente novo e irredutível para mim. Antes, era o silêncio da morte. Agora é um sentimento de segurança íntima “.

Edith, como Husserl, queria resolver o problema da crise espiritual do Ocidente ao conceder primazia à razão. Ela achava que a intenção sincera desse professor era honesta e justa, mas descobriu que não era possível querer ter tudo que o campo de jogo do homem, seu ambiente, sua circunstância vital e espiritual, tivessem sob controle intelectual, tudo.

Pouco a pouco, com o impacto da experiência religiosa, Edith Stein chegou a profundas convicções. O discípulo favorito de Husserl concluiu que somente aqueles que conhecem a Deus realmente conhecem o homem; que o futuro da sociedade depende da vida espiritual compreendida com toda radicalidade e em todo o seu alcance; que se abrimos o espírito para todas as grandes coisas que nos cercam, descobrimos que a vida de Deus é uma energia que nos satisfaz.

Um profundo trabalho educativo

Mais tarde, Edith deixou sua carreira como aluna e aceitou o cargo de professora de alemão no Colégio das Irmãs Dominicanas em Speyer. Lá, ela trabalhou por oito anos como professora. Ele dividiu seu dia entre trabalho e oração. Ele era para todos uma pessoa benevolente e prestativa, que trabalhou arduamente para transmitir idéias de maneira clara e sistemática. Sua preocupação foi além da transmissão de conhecimento, incluindo o treinamento de toda a pessoa, porque ele estava convencido de que a educação era um trabalho apostólico.

Durante todo esse período, Edith continuou seus escritos e traduções de filosofia e assumiu o compromisso de dar palestras, que a levaram a Heidelberg, Zurique, Salzburgo e outras cidades. No curso de suas palestras, ela frequentemente abordava o papel e o significado das mulheres na vida contemporânea, bem como o valor da maturidade da vida cristã nas mulheres como resposta ao mundo.

Entrega completa a Deus

Em 1931, Edith deixa a escola do convento para dedicar-se em tempo integral a escrever e publicar seus trabalhos. Em 1932, ele aceitou a cadeira na Universidade de Münster, mas um ano depois, ele foi informado de que deveria deixar sua posição por causa de sua ascendência judaica. Ele recebeu várias ofertas profissionais de grande atratividade e segurança, mas Edith estava convencido de que chegara a hora de se entregar completamente a Deus.

Em 14 de outubro de 1933, aos 42 anos, Edith Stein entrou no convento carmelita de Colônia, tomando o nome de Teresa Benedicta e refletindo sua especial devoção à paixão de Cristo e sua gratidão a Teresa de Ávila por sua proteção espiritual.

No convento, Edith continuou seus estudos e escritos completando os textos de seu livro “La Finitud y el Ser”, sua obra-prima.

Em 1938, a situação na Alemanha piorou, e o ataque das temidas SS em 8 de novembro às sinagogas (a Kristallnacht ou “Noite dos Cristais”) esclareceu qualquer dúvida sobre o risco dos cidadãos judeus. A transferência de Edith para o convento holandês em Echt foi preparada e, em 31 de dezembro de 1938, Edith Stein foi levada para a Holanda.

Edith, como milhares de judeus residentes na Holanda, começou a receber citações da SS em Maastricht e do conselheiro para os judeus em Amsterdã. Ele pediu um visto para a Suíça, juntamente com sua irmã Rosa, com quem ele viveu em Echt, para se mudar para o Convento das Carmelitas em Le Paquier. A comunidade de Le Paquier informou a Comunidade Echt que poderia aceitar Edith, mas não Rosa. Para Edith era inaceitável e por isso ela se recusou a ir para a Suíça e preferiu ficar com sua irmã Rosa em Echt. Determinada a terminar “A Ciência da Cruz”, Edith passou todo o tempo investigando, até que ela estivesse exausta.

Quando o Bispo de Holanda escreveu uma carta pastoral na qual severamente protestaram contra a deportação dos judeus, os nazistas reagiu ordenando a exterminação dos judeus que estavam Católica. Domingo, 2 de agosto, às 05:00, depois de Edith Stein havia passado seus dias rezando e trabalhando em seu manuscrito interminável de seu livro sobre João da Cruz, os oficiais da SS foram para o convento ea Eles levaram junto com Rosa.

Assustado pela multidão e incapaz de fazer qualquer coisa sobre a situação, Rosa começou a desorientar-se. Uma testemunha relatou que Edith pegou Rosa pela mão e disse baixinho: “Venha Rosa, vamos para o nosso povo”. Juntos, eles caminharam até a esquina e entraram no caminhão da polícia. Há muitas testemunhas que contam sobre o comportamento de Edith durante aqueles dias de prisão em Amersfoort e Westerbork, o campo central de detenção no norte da Holanda. Eles falam de seu silêncio, sua calma, sua compostura, seu autocontrole, seu consolo por outras mulheres, seu cuidado com os pequenos, lavando e escovando os cabelos e cuidando para que eles sejam alimentados. No meio da noite, antes do amanhecer de 7 de agosto de 1942, os prisioneiros de Westerbork, incluindo Edith Stein, Eles foram levados para os trens e deportados para Auschwitz. Em 1950, o Dutch Gazette publicou a lista oficial com os nomes dos judeus que foram deportados da Holanda em 7 de agosto de 1942. Não havia sobreviventes. Eis o que a lista dos deportados dizia sucintamente: “Número 44070: Edith Theresa Hedwig Stein, nascida em Breslau em 12 de outubro de 1891, morta em 9 de agosto de 1942.”

 

Por Alfonso Aguiló texto original em Espanhol ocarm.org

Tagged in :

Avatar de vozdedeus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *