Darth Vader e a Primeira Semana dos Exercícios Espirituais

Avatar de vozdedeus

Este post é baseado na Terceira Semana de Uma Aventura de Oração Inaciana .

Há uma cena em Star Wars: O Retorno de Jedi que resume perfeitamente um tema-chave de toda a franquia Star Wars .

Estamos no planeta Dagobah, e Yoda acaba de se tornar um com a Força. Luke Skywalker está compreensivelmente desanimado e sem saber como ele continuará no caminho Jedi. Entra Obi-Wan Kenobi, ou melhor, o fantasma da Força dele.

“Yoda sempre estará com você”, diz ele, emergindo do pântano.

Luke se volta contra o velho Jedi, irritado com seu outrora mentor. Obi-Wan não mencionou o relacionamento familiar que Luke compartilha com seu inimigo: O Cavaleiro Jedi que virou Lorde Sith, Anakin Skywalker, agora Darth Vader, é o pai de Luke.

Obi-Wan dá de ombros para a raiva de Luke. É claro que Kenobi desistiu de seu velho amigo anos atrás, incapaz de salvá-lo do Lado Negro.

“Ainda há coisas boas nele”, insiste Luke.

“Ele é mais máquina agora do que homem”, rebate Kenobi. “Distorcido e malvado.”

“Não posso matar meu próprio pai.”

E aí está, aquela batida temática tão essencial para Star Wars : um teimoso apego à redenção esperada. Ninguém está muito longe.

É claro que as palavras de Luke são as que representam essa esperança. Mas é na réplica de Kenobi que vemos as apostas espirituais: mais máquina do que humano. Retorcido e malvado.

Na Primeira Semana dos Exercícios Espirituais, Santo Inácio nos convida a olhar com clareza para o pecado e seus efeitos em nossa vida e em nosso mundo. Isso não significa uma viagem de culpa, mas sim de despertar em nós uma compreensão do mal do qual Deus anseia nos salvar. Se não olharmos honestamente para o pecado e nossa culpabilidade nele, nunca poderemos alcançar a liberdade espiritual que Deus deseja para nós.

E é por isso que acho que a linha de Kenobi é tão útil. Não precisamos entender o funcionamento técnico do traje de Darth Vader para apreciar o significado de Kenobi: o homem que já foi Anakin Skywalker agora está tão preso no maquinário do Lado Negro que ele é mais uma ferramenta do mal do que um ser humano. Plenamente vivo e livre para exercer sua consciência.

Reconhecemos o maquinário que nos mantém presos ao pecado? O maquinário que sustenta estruturas de injustiça, violência e opressão? Vemos claramente aqueles hábitos que perpetuamos, aparentemente sem pensar? E somos capazes de ver os impactos que essas tendências pecaminosas têm, não apenas em nós mesmos, mas em nossa comunidade e em nosso mundo?

Kenobi não está lamentando as próteses de Vader ou sua dependência da tecnologia para ajudá-lo a respirar. Ele está lamentando que seu velho amigo tenha se tornado tão envolvido no empreendimento do mal que não consegue mais ver uma saída. Ele não pode mais imaginar outro caminho para si mesmo.

Mas Luke discorda.

Luke acredita que não há apenas o bem em seu pai, mas uma maneira pela qual esse bem o leva a uma nova vida. Mas tudo depende de Vader reconhecer os sistemas e impulsos malignos nos quais ele está enredado.

Essa deve ser a nossa oração também, particularmente nos primeiros dias dos Exercícios Espirituais. Deus deseja que vejamos claramente o que está em jogo – e então que tenhamos a atitude para o bem.

Obi-Wan Kenobi pode ter pensado que Darth Vader estava longe demais, mas a conclusão de O Retorno de Jedi prova que ele estava errado.

Como queremos que nossas histórias terminem?

 

Imagem (cortada) por Star Wars/Ron Riccio sob CC BY 2.0 , via Wikimedia Commons.

Texto de  Eric Clayton

Tagged in :

Avatar de vozdedeus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *